Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/12/16 às 12h49 - Atualizado em 30/10/18 às 11h46

Adesão popular à Virada do Cerrado mais que dobra em Brasília

COMPARTILHAR

Notícias 

Da Agência Brasília

 

Na edição deste ano, 45 mil pessoas participaram das cerca de 500 atividades do projeto. Objetivo é estimular conscientização sobre os cuidados com o meio ambiente e, em especial, com o bioma

Em dois anos de vigência, a Virada do Cerrado conquistou a adesão da comunidade. Isso é demonstrado pelo número crescente de ações e de participantes. Em 2016, 45 mil pessoas estiveram diretamente envolvidas no programa, seja por meio de capacitações ao longo do ano, seja nas cerca de 500 atividades, em 29 regiões administrativas, durante a semana em setembro dedicada ao bioma.

Em 2015, a iniciativa mobilizou 20 mil pessoas em 21 regiões. O objetivo da Virada é estimular a conscientização sobre os cuidados com o meio ambiente e, especialmente, com o Cerrado. Assim, os temas trabalhados nas duas edições — cidadania e sustentabilidade em 2015 e mudanças climáticas neste ano — trazem a discussão para a realidade do Distrito Federal.

A tendência é que o engajamento siga crescendo. “A Virada não é só durante a Semana do Cerrado, um evento. É um programa de educação ambiental”, explica a subsecretária de Educação e Mobilização Socioambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Gabriela Barbosa. O programa, segundo ela, pretende construir uma mudança de consciência. “É uma pauta muito importante, mas as pessoas ainda estão despertando para ela”, afirma.

A área de atuação da pasta é a educação não formal, ou seja, aquela ensinada fora da escola. “Quando se pensa em educação ambiental, as pessoas associam logo à escola, um espaço muito importante. No entanto, a secretaria cuida da educação em comunidades, nos parques, nas cidades”, resume a subsecretária.

São exemplos que vão além do ambiente escolar as retiradas de entulho e lixo em unidades de conservação e a recuperação da cobertura vegetal de nascentes e de áreas degradadas.

Uma das vertentes é trabalhar a discussão de forma lúdica, como na abertura da Virada deste ano, no Parque das Garças, no Lago Norte. No dia, ocorreu uma etapa do Circuito SOS Lago Paranoá de Stand-up Paddle, com o objetivo de chamar a atenção para os cuidados com o reservatório de água.

No encerramento da Virada na Semana do Cerrado, no Parque da Cidade, a Corrida pelo Clima alertou para a necessidade de barrar o aquecimento global e a elevação em 1,5 °C na temperatura do planeta. Participaram 1,2 mil corredores nos trajetos de 5 e 10 quilômetros. “A gente tem o lema que ‘se não for divertido, não é sustentável’”, afirma Gabriela.

Mutirões de plantio em 14 pontos do Distrito Federal

Tornar a sociedade parte da solução para o reflorestamento ambiental foi o foco de mutirões feitos em novembro e dezembro deste ano, como parte da programação do evento. Os locais receberam 4 mil mudas e foram indicados pela população durante as atividades da Virada do Cerrado, em setembro.

Os mutirões contemplam variadas formas de plantio em áreas urbana e rural, em nascentes e em parques. Somente nesta etapa, participaram 600 pessoas. O último ocorreu em 11 de dezembro, no Parque da Cidade. As mudas foram doadas pela Secretaria do Meio Ambiente às administrações regionais.

Parceria com regiões administrativas na Virada do Cerrado

A atuação das administrações regionais determinou o sucesso das ações da Virada do Cerrado. Como foram instituídos comitês criativos nos locais do evento, o tema foi tratado de forma mais próxima dos gestores públicos.

Do mesmo modo, os problemas de cada região tiveram encaminhamento mais efetivo. Além disso, os gestores se tornaram multiplicadores dos cuidados ambientais. “Eles replicam o que aprenderam nas capacitações e fazem outras atividades, como limpeza nas unidades de conservação”, conta Gabriela.

O tema da Virada do Cerrado 2017 será dedicado aos recursos hídricos, como parte da preparação para o 8º Fórum Mundial da Água, que Brasília sediará em 2018.