Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/08/20 às 16h20 - Atualizado em 21/08/20 às 12h54

Comitê Brasília Recicla aposta na união de órgãos do GDF para ações de educação ambiental

COMPARTILHAR

 

O Governo do Distrito Federal dá mais um passo para melhorar a gestão da coletiva seletiva de resíduos. Esta semana o Diário Oficial trouxe a publicação do decreto que cria o Comitê Brasília Recicla, idealizado pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema). De caráter permanente, a instância vai promover a Educação Ambiental e a Comunicação voltadas à reciclagem resíduos recicláveis secos e orgânicos, por meio da compostagem.

 

De acordo com o secretário da pasta, Sarney Filho, a Sema percebeu que muitos órgãos do GDF faziam ações voltadas à Educação Ambiental para a gestão adequada dos resíduos mas de forma individual. “Atuando assim, as ações acabam perdendo força, o que leva a um esforço muito grande de cada um para um resultado pequeno. Em parceria, teremos resultados melhores”, afirma.

 

O Brasília Recicla é composto por representantes da Sema, Secretarias de Comunicação (SECOM), Educação (SEE); Proteção da Ordem Urbanística (DF Legal) e, Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (SEAGRI). E ainda Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER); Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU); Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (ADASA) e Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal (Brasília Ambiental).

 

O DF conta com uma estrutura robusta na gestão de resíduos, que inclui Aterro Sanitário, Unidades de Recebimento de Entulho (URE), unidades de triagem e reciclagem e contará, em breve, com o Complexo de Reciclagem do DF, em fase final de construção. Também é marca registrada das políticas públicas no setor, a inclusão socioprodutiva de catadores de materiais recicláveis, contratados por meio de suas cooperativas e associações para prestar ao GDF.

 

 

 

Adesão da Papulação

Mesmo assim, apenas entre 3% e 4% do total coletado pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU) é efetivamente reciclado. De acordo com o Plano Distrital de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos (PDGIRS), a estimativa é de que esse número poderia chegar a 28%, com a expansão dos serviços de coleta seletiva e uma adesão maior da população a essa prática.

 

A explicação para o número ainda não satisfatório, se acordo com a gerente de Implementação da Política de Resíduos da Sema, Maria Fernanda Teixeira, é que o resíduo ainda é acondicionado de forma muito misturada, o que justifica o esforço para que a população participe da coleta seletiva como uma parceira, segundo a proposta do Comitê Brasília Recicla. “Quando o material chega na triagem realizada pelos catadores, boa parte é descartado como rejeito porque a separação não foi feia, inviabilizando o aproveitamento para a reciclagem”, explica.

 

De acordo com ela, o trabalho de comunicação e educação ambiental a ser realizado pelo comitê por meio de programas e campanhas será reforçado pelo componente de fiscalização. “Não é que o comitê vá fiscalizar. Ele não tem essa atribuição. Mas a gente quer trazer os órgãos fiscalizadores para poder fazer ações conjuntas. Só a educação ambiental, a informação, a comunicação, muitas vezes não provocam mudanças em todos os perfis de pessoas. Há aquelas que precisam da Lei para dizer o que fazer e precisam também saber que tem alguém fiscalizando e multando”.

Pandemia

A Coletiva Seletiva foi interrompida no DF durante a Pandemia por Covid-19 mas está sendo retomada de forma gradativa. “À medida que as empresas que prestam esse serviço se adequam aos protocolos de segurança sanitária indicados pela Vigilância Sanitária”, explica o coordenador de implementação da política de resíduos da Sema, Glauco Amorim.

 

Para buscar engajar os moradores na gestão adequada dos resíduos gerados em suas casas, a Sema, junto com o Brasília Ambiental, a Adasa, o SLU, com apoio da Secom, estão veiculando nas Redes Sociais a Campanha Continue Acertando na Gestão dos Resíduos Sólidos. “Os números de visualizações dessa campanha são muito superiores aos que os órgãos conseguiam individualmente com iniciativas semelhantes, o que fez a gente perceber que quando se atua em parceria conseguem-se resultados melhores. Esse foi um ponto que levou à proposta da criação do Comitê”, lembra Fernanda.

 

O Comitê Brasília Recicla vai basear sua atuação pelos preceitos da Política Distrital de Resíduos Sólidos para atender às metas do PDGIRS.

 

 

 

Assessoria de Comunicação

Secretaria do Meio Ambiente