Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/05/19 às 16h44 - Atualizado em 7/05/19 às 16h44

Especialistas discutem manejo controlado do fogo no Cerrado

COMPARTILHAR

 

 

Como parte da campanha de prevenção aos incêndios no Cerrado, o secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho, abriu reunião realizada no Jardim Botânico de Brasília, que contou com a participação de técnicos e representantes de universidades envolvidos nos estudos e experiências do Manejo Integrado do Fogo. O Secretário afirmou que o uso controlado do fogo é hoje empregado em vários países, como Austrália, África e Estados Unidos, para evitar incêndios de grandes proporções nos períodos secos que devastam as savanas.

 

“O trabalho se faz a partir da redução de material combustível de uma área, evitando incêndios que ameaçam os ecossistemas e contribuindo ainda para a redução de emissões de gases de efeito estufa”, explicou.

 

No Distrito Federal, o Parque Nacional de Brasília tem realizado diversas ações de manejo, incluindo as queimas, que são prescritas durante o período chuvoso e início da estação seca, segundo explicou Juliana de Barros Alves, chefe do Parque Nacional de Brasília.

 

Desde o início da prática, de acordo com o gerente de Fogo do Parque Nacional de Brasília, Manoel Eurípedes da Silva, os índices de incêndios diminuíram no parque. “Se deixarmos o capim crescer durante vários anos, ele se transforma em combustível certo para alastrar o fogo. Com o manejo, evitamos danos maiores à área protegida”, disse, ao apresentar os dados dos úlrtimos anos.

 

 

Os especialistas informaram que, desde 2014, o governo federal e alguns governos estaduais, com base em dados ecológicos nacionais e internacionais, passaram a adotar as ações de manejo, ressaltando a simplicidade, técnica, baixo custo e valorização do conhecimento tradicional das comunidades.

 

A professora da Universidade de Brasília, Isabel Schmidt, afirmou que evitar fogo em savanas, que são semelhantes ao Cerrado, “é algo impossível”, e que por isso, “é melhor fazer fogo bom para evitar incêndios que ficam fora de controle”.

 

Isabel Schmidt visitou áreas na Flórida, (EUA) onde se faz o manejo pelo fogo nos Everglades, e também o Parque Kruger, na África do Sul. No Kruger, uma extensa área de savana, a prática é utilizada desde 1954.

 

“O trabalho é sempre feito antes das chuvas, que no DF têm o seu auge nos meses de agosto, setembro e outubro. O planejamento envolve imagens de satélites, que mostram onde foi feito o manejo nos anos anteriores, e assim são escolhidas novos pontos para a ação”, informou.

 

A especialista defendeu que o fogo controlado evita que um incêndio chegue até as matas de galerias, ameaçando mananciais e nascentes.

 

Foi citada a experiência do Parque Nacional da Chapada das Mesas, no Maranhão, onde não foram registrados grandes incêndios nos últimos anos, desde a prática do manejo do fogo.

 

De acordo com os especialistas, o Código Florestal de 2012 permite o manejo do fogo em áreas protegidas. Hoje, tramita no Congresso Nacional projeto de lei que estabelece uma política nacional sobre queimadas controladas.