Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/07/19 às 17h31 - Atualizado em 10/07/19 às 12h25

GDF e Alemanha discutem planejamento urbano

COMPARTILHAR

 

 

 

Transporte, resíduos sólidos e produção de cimento, as maiores fontes de emissão de gases de efeito estufa no Distrito Federal, podem se tornar objetos de projetos de cooperação entre a Secretaria de Meio Ambiente e o governo da Alemanha. Conversa nesse sentido ocorreu na tarde desta terça-feira, (09/07), em Brasília, entre o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho e o embaixador da Cooperação para o Desenvolvimento de Municípios do país europeu, Karsten Hoppenstedt. A pauta do encontro girou sobre planejamento urbano e proteção ao meio ambiente em níveis municipal e distrital.

 

Sarney Filho abordou as peculiaridades de Brasília como uma cidade-estado e afirmou o compromisso do governador do DF, Ibaneis  Rocha, em apoiar as políticas públicas ambientais, tendo como prioridades a produção de fontes de energias não-poluentes, proteção das nascentes e recuperação das bacias hidrográficas. Além da implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos e a coordenação da Coleta Seletiva Solidária, voltada aos órgãos do GDF, sob responsabilidade da Sema.

 

“Outra ação importante é o uso da tecnologia para auxiliar na tomada de decisão. Nesse sentido, estamos desenvolvendo o Sistema Distrital de Informações Ambientais (SISDIA), um programa avançado de georreferenciamento que vai nos permitir ter diagnósticos precisos em áreas importantes como fiscalização e licenciamento”, destacou.

 

 

 

Como parlamentar por mais de quatro décadas e com duas passagens como ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho falou da sua atuação em defesa do meio ambiente e apontou para os riscos que o Brasil corre com o aumento do desmatamento identificado nos últimos meses na Floresta Amazônica. “Além de ações de comando e controle, são necessários investimentos para que a floresta em pé tenha mais valor do que sua destruição”. Segundo ele, o que só será possível com iniciativas de concessão florestal e apoio à sociobiodiversidade e aos povos tradicionais.

 

Hoppenstedt afirmou que a Europa se preocupa com a condição da floresta porque ela é decisiva para o clima e, em consequência, para o futuro do planeta. Com experiência em política municipal e no parlamento europeu. “Existem problemas como a mineração e a situação dos povos e terras indígenas, que também nos preocupam muito”, destacou.

 

 

 

Secretaria do Meio Ambiente

Assessoria de Comunicação