Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal

Implantação de boas práticas, pesquisas e inovações nas bacias do Descoberto e Paranoá


 

Implantação de boas práticas,

pesquisas e inovações nas

bacias do Descoberto e Paranoá

 

Esta iniciativa abrange a implantação de boas práticas agrícolas, estudos e pesquisas nas Bacias do Descoberto e do Paranoá, cujo foco é a busca por segurança hídrica, considerando a contribuição dessas bacias para o abastecimento público no Distrito Federal, e o desenvolvimento de pesquisas e inovações que colaborem para geração de subsídios para a gestão adequada.

 

As principais iniciativas dessa entrega envolvem: a recomposição da vegetação nativa em áreas de nascentes e APPs de cursos d’água em regiões importantes de recarga hídrica de aquíferos – aquisição de insumos, preparo do terreno e do solo, plantio e necessário replantio, inclusive mão de obra.

 

No âmbito das Boas Práticas, já foram implantados 18 hectares de Sistemas Agroflorestais (SAFs), dos 20 hectares previstas no projeto. A Inovação dos SAFs é o processo de mecanização, com a aquisição de três implementos agrícolas específicos para SAFs: enxada rotativa com subsolar (que prepara rapidamente grandes extensões de canteiros a uma profundidade de até 80 cm); ceifadeira-enleiradeira (que roça o capim nas entrelinhas e já o deposita na sua linha de plantio, servindo de matéria orgânica e cobertura do solo); e um podador de altura. Implementos fundamentais para tornar esse importante modelo agrícola ambientalmente amigável e mais atrativo aos produtores rurais.

 

Nessa entrega também já foi realizado o treinamento de 80 agricultores extensionistas na implantação de SAFs com o uso desse novo maquinário.

 

No âmbito do estudo realizado ressalta-se o estudo para medir os índices de sustentabilidade das bacias. Foi aplicado dois modelos. O primeiro modelo foi o índice da Unesco, de amplo reconhecimento internacional. Foi também adaptado um segundo modelo. Trata-se do modelo computacional de avaliação de risco utilizando o “Índice de Sustentabilidade da Bacia Hidrográfica (ISBH)”, adaptado de um modelo chinês que estabelece previsões. Estes estudos estão finalizados e em fase de validação final, para disponibilização pública.

 

Por último, ressalta-se também a implantação de pesquisas sobre água magnetizada aplicada a irrigação. Este é um tema ainda pouco conhecido no Brasil, mas com algumas experiências já sendo testadas em outros países.

 

A pesquisa que está sendo implantada no âmbito do projeto CITinova visa testar a eficiência da água exposta a magnetizadores, na agricultura. Os testes estão sendo realizados em sistemas abertos e em sistemas controlado, com as espécies de alface, rabanetes e milho. Espera-se que os resultados sejam positivos no sentido de aumento de produtividade utilizando-se menos água.

 

Até junho de 2020 foram realizadas as seguintes ações:

 

• Implantação de 18 hectares de SAFs;
• Aquisição de dois implementos para SAFs;
• Aplicação das metodologias sobre índices de sustentabilidade nas Bacias hidrográficas; e
• Início da Implantação das pesquisas sobre água magnetizada aplicada a irrigação.

 

Próximas etapas:

 

• Entrega do último Implemento (podador de altura);
• Implantação das Pesquisas sobre Água Magnetizada em ambiente controlado;
• Resultado dos Índices de Sustentabilidade nas Bacias do Descoberto e Paranoá;
• TR sobre reuso da água Implantada; e
• Estudo sobre Água magnetizada realizado e disponibilizado.

 

A Bacia do Descoberto/Alto Descoberto contempla o Alto Rio Descoberto, o Ribeirão Rodeador e o Ribeirão das Pedras. Já a Bacia do Paranoá contempla o Lago Paranoá – Serrinha do Paranoá e a área do Riacho Fundo – ARIE Granja do Ipê.

 

Esta iniciativa é baseada também nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nação Unidas (ODS) número 6, determinado como: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos, bem como no ODS 15, determinado como: proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade.