Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal

Planejamento Integrado e Tecnologias para Cidades Sustentáveis

 

O Projeto CITInova Planejamento Integrado e Tecnologias para Cidades Sustentáveis é uma realização do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), financiado pelo Global Environment Facility(GEF), com parceria da ONU Meio Ambiente, Secretaria do Meio Ambiente do Distrito Federal (SEMA), Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Programa Cidades Sustentáveis (PCS) e Agência Recife para Inovação e Estratégia (ARIES).

 

No âmbito do Distrito Federal, o Projeto, coordenado pela SEMA, conta com um comitê local formado por sete instituições governamentais e três não governamentais.

 

O projeto tem por objetivo desenvolver e incentivar soluções tecnológicas inovadoras e o planejamento urbano integrado para apoiar a administração pública na promoção de cidades sustentáveis com o acesso da sociedade na participação e no monitoramento da gestão pública.

 

Componentes:

 

Com abordagem nacional e ações específicas em Brasília e Recife, o projeto é dividido em duas grandes frentes de atuação:

 

Componente 1

 

Planejamento Urbano Integrado
Baseado em evidências (indicadores), transetorial e sustentável, em Brasília e Recife. Se divide em:

 

  • Implantação do Sistema Distrital de Informações Ambientais – SISDIA: organiza as informações dos diversos setores que atuam nas questões ambientais em uma infraestrutura de Dados Espaciais. Tem o objetivo de servir como ferramenta de gestão integrada da política ambiental nas ações de governo e sociedade, mantendo atualizadas as informações necessárias a essa gestão, atendendo a padrões e acordos necessários para facilitar e ordenar a geração, armazenamento, acesso, compartilhamento, disseminação e uso dessas informações.

 

  • Implantação de uma Governança Climática: Estruturação e elaboração da estratégias de enfrentamento as mudanças do Clima com foco na redução de gazes de GEE e ações de adaptação. O projeto ainda prevê a implantação de uma estruturação de governança climática com a participação dos diversos setores da sociedade.

 

 

  • Diagnóstico do atual nível de contaminação do Lixão : será elaborado diagnóstico com o objetivo de analisar os atuais níveis de contaminação e de definir indicativos conceituais dos parâmetros e critérios que devem ser utilizados para os trabalhos de remediação ambiental do solo, água superficial, água subterrânea, ar e resíduos sólidos que deverão ser executados na área do Lixão da Estrutural.

 

 

  • Mobilização socioambiental: a partir do apoio ao trabalho nas escolas voltado à conservação da água e valorização do Cerrado, realização da Semana do Cerrado e estruturação dos Comitês de Meio Ambiente locais, com o objetivo de firmar um pacto pela sustentabilidade com os principais atores nas duas Bacias Hidrográficas onde o projeto vai atuar.

 

 

Componente 2

 

Tem por objetivos realizar investimentos integrados em infraestrutura. Entre os quais:

 

  • Implantação de testes Pilotos para remediação do Lixão com tecnologias inovadoras: consolidação do planejamento do diagnóstico da contaminação provocada pelo lixão da Estrutural (já fechado) e implantação de um plano de remediação do solo, água superficial, água subterrânea, ar e resíduos sólidos.

 

 

  • Mobilização para a sustentabilidade: pacto pela sustentabilidade e apoio à agenda ambiental com foco em energia solar e Recuperação de nascentes.

                                                                                                                

  • Ações de recuperação ambiental, pesquisas e inovação nas bacias hidrográficas do Descoberto e Lago Paranoá: será restaurado um território total de 60 hectares em áreas de nascentes nas regiões prioritárias do Descoberto e da Serrinha do Paranoá. Serão utilizadas novas técnicas e indicadores de efetividade para áreas restauradas. Será realizada a implantação de 20 hectares de Sistemas Agroflorestais (SAFs) mecanizados, a medição dos índices de sustentabilidade em duas bacias hidrográficas e pesquisas com água estruturada aplicada à irrigação.

 

  • Implantação de energia fotovoltaica no DF: realização de estudos para modelos de negócios, e implantação de usinas em prédios públicos juntamente com ações educativas e criação de um portal de informações sobre energia solar.