Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/04/19 às 11h48 - Atualizado em 2/05/19 às 18h15

Secretaria abre conferência do Movimento Park Way Lixo Zero

COMPARTILHAR

A administração do Park Way iniciou uma mobilização para tornar o bairro mais limpo e sustentável. A conferência Movimento Park Way Lixo Zero foi realizada na tarde desta quarta-feira (24), com a participação do administrador José Joffre Nascimento e lideranças das associações comunitárias locais. O subsecretário de Gestão das Águas e Resíduos Sólidos da Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Jair Tannús Júnior, representou o titular da pasta, José Sarney Filho, no encontro.

 

Tannús destacou a responsabilidade de cada cidadão na separação dos resíduos na fonte. “Novas soluções precisam ser apresentadas e implementadas com urgência e uma campanha educativa deve ser realizada, a nível local e até nacional, para conscientizar a população do seu papel numa sociedade Lixo Zero”, enfatizou o subsecretário da Sema.

 

O conceito lixo zero consiste no máximo aproveitamento e correto encaminhamento dos resíduos recicláveis e orgânicos, além do incentivo dos ciclos naturais sustentáveis, evitando-se o encaminhamento desses materiais para os aterros sanitários e a mitigação dos Gases de Efeito Estufa.

 

De acordo com o subsecretário, o case da quadra 113 Sul, no Plano Piloto, onde 1.200 moradores participam da iniciativa sustentável de separar o lixo, é um exemplo de Brasília que pode ser seguido em todo o país. “Esta ação economizou recursos públicos, gerou mais renda e possibilitou o aumento de postos de trabalho para os catadores de materiais recicláveis, além de reduzir de 60% para 5% o montante de lixo produzido na quadra que era destinado ao aterro sanitário”, explicou.

 

O Distrito Federal é a Unidade da Federação que mais gera resíduos per capita no Brasil, atualmente. Cada habitante gera, em média, 1,6 kg de resíduos por dia. Dados do SLU indicam que, até 2017 a capital do país o maior lixão em funcionamento da América Latina e o segundo maior do mundo.  No local, trabalhavam catadores, de maneira informal, em meio ao lixo produzido e sujeitos a todos os tipos de riscos.

 

A situação do DF vem mudando com a participação do poder público, setor empresarial e os cidadãos de Brasília, segundo o subsecretário, que aponta os avanços como o Aterro Sanitário de Brasília, as instalações de recuperação de resíduos para os catadores de materiais recicláveis trabalharem e a coleta seletiva nas Regiões Administrativas do DF.

 

“O GDF está ampliando a coleta seletiva para atender praticamente toda a população do Distrito Federal. Hoje a cobertura é de um pouco mais de 50%, mas têm-se a expectativa de ter uma cobertura em todas as regiões administrativas com 100% da população atendida. Aqui no Park Way, de acordo com o SLU, há coleta seletiva nas quadras 3, 4 e 5, na região de Águas Claras”, explicou o subsecretário.

 

A iniciativa do administrador do Park Way, José Joffre Nascimento, faz parte do Cidades Lixo Zero – Avanços rumo a destinos sustentáveis, do Instituto Lixo Zero Brasil. O projeto estimula ações para a gestão correta de resíduos sólidos no Brasil, como o reaproveitamento desse tipo de material, descarte correto de embalagens e instalação de saneamento básico, entre outros itens.

 

Secretaria de Meio Ambiente

Assessoria de Comunicação Social