Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/06/21 às 16h47 - Atualizado em 18/06/21 às 16h47

Sema apresenta experiências de gestão de resíduos em Fórum Lixo Zero

COMPARTILHAR

Expectativa é levar a coleta seletiva a 100% da população do DF

 

A Secretaria de Meio Ambiente (Sema) responsável pela implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) no DF, apresentou as políticas públicas de gestão de resíduos durante o Fórum Distrital das Boas Práticas – Lixo Zero. O evento, transmitido ao vivo pela Internet, ocorreu nos dias 14 e 17, sob a organização da Frente Ambientalista do DF, a Frente Parlamentar dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o Instituto Lixo Zero. O encontro foi presidido pelo deputado distrital Leandro Grass (Rede).

 

O objetivo do fórum foi discutir aspectos das etapas ambientalmente adequadas de coleta, transporte, tratamento e destinação de resíduos no Distrito Federal. Também foram abordadas as melhores práticas e tecnologias em gestão de resíduos, além de troca experiências sobre a Política Nacional. No primeiro dia, as discussões foram divididas em dois blocos, para agrupar representantes da sociedade civil e do poder público. Já no segundo encontro, as ideias foram expostas por movimentos comunitários.

 

A gerente de Implementação da Política de Resíduos da Sema, Maria Fernanda Teixeira, fez um balanço da coleta seletiva no DF, desde o início da implantação, nos anos 90, até os dias atuais. “Nossa expectativa era expandir a coleta seletiva para 100% do DF até o ano passado. Mas isso se tornou impossível com a pandemia”, disse.

 

Maria Fernanda explicou que a coleta seletiva chegou a ser interrompida para proteger a saúde dos catadores de materiais recicláveis, mas na tentativa de fazer com que as boas práticas de separação de resíduos não fossem abandonadas, a Sema e parceiros criaram a campanha Continue Acertando. “Tivemos a preocupação de evitar retrocessos e decidimos trabalhar com o que tínhamos. A campanha foi feita por meio da divulgação de vídeos educativos curtos, gravados pelos servidores dos órgãos envolvidos, de dentro de suas casas e com equipamentos simples, como os celulares”, lembrou.

 

Alcance – A estratégia deu certo e alcançou 160 mil pessoas. Com o êxito da experiência, uma nova fase será lançada no início de julho. “Desta vez, teremos apoio da Secretaria de Comunicação do GDF, teremos recursos e vamos poder fortalecer a comunicação e a educação ambiental como ferramentas para chegarmos ao lixo zero no DF”, disse.

 

 

O esforço da Sema na melhoria de infraestrutura para a gestão dos resíduos também foi abordado por ela, tendo como principal exemplo o Complexo Integrado de Reciclagem (CIR) do DF. Inaugurada em dezembro passado, a estrutura ocupa uma área de 80 mil m² na Cidade Estrutural e compreende duas centrais de triagem e reciclagem (CTRs) e uma Central de Comercialização (CC). Com investimentos de R$ 21 milhões, o CIR tem capacidade de gerar mais de 750 postos de trabalho para catadores de materiais recicláveis.

 

Logística Reversa – As tratativas da Sema para implementar a logística reversa dos setores previstos pela Política Nacional foram apresentadas pela gerente de Resíduos, Isadora Lobão. De acordo com ela, o DF atua em onze cadeias, sendo que as principais, nas quais as tratativas estão mais avançadas, são a eletroeletrônicos e pilhas, embalagens em geral, lâmpadas pneus e vidros. “Eu vejo com bons olhos e sou otimista com a consciência da população com relação à entrega desses tipos de resíduos em Pontos de Entrega Voluntária (PEVs).

 

 

 

A habilitação de prestadores de serviços para atuar no sistema de Logística Reversa, a execução de planos de comunicação e de educação ambiental, além da instalação de Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) devem ser implementados a partir da assinatura do Termo de Compromisso, etapa assumida por Estados, municípios e Distrito Federal para a implementação da logística reversa de algumas cadeias de produção, de acordo com o que determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

 

A logística reversa é um dos instrumentos para aplicação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos. A PNRS a define como um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

 

Veja aqui onde encontrar PEVs no DF

 

Assessoria de Comunicação
Secretaria do Meio Ambiente