Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/09/19 às 17h55 - Atualizado em 4/09/19 às 17h55

Sema avalia projeto de desenvolvimento para a Bacia do Descoberto

COMPARTILHAR

 

O secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho, e o ex-titular da pasta, André Lima, se reuniram na tarde desta quarta-feira, (04/09), para falar sobre a segurança hídrica do Distrito Federal. Acompanhado por produtores rurais de Brazlândia, André entregou, para análise da Sema, uma Proposta de Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável para a Bacia do Descoberto.

 

Principal manancial do DF, a bacia do Alto Descoberto abastece cerca de 65% da população local. É uma área predominantemente rural e alta relevância ambiental, com cinco Unidades de Conservação. Anualmente, são produzidas na bacia, 5,2 mil toneladas de morango, 9,5 mil toneladas de goiaba e 2,8 mil de grãos de milho.

 

De acordo com André Lima, a vocação agrícola da região está correndo riscos pelo avanço do uso desordenado da ocupação urbana, além de parcelamento irregular e grilagem de terras públicas. “Caso perca a sua característica de fonte de água, a bacia vai ameaçar o abastecimento tanto do DF quanto de GO e a adequação da infraestrutura da região de rural para urbana, também custaria muito mais aos cofres públicos do que o reforço dessa vocação por esse projeto”, afirmou. Ele lembrou também que a iniciativa está alinhada à Lei do ZEE (Zoneamento Ecologico-Economico) do DF.

 

Segundo o documento, trata-se de um plano de ação para garantir também a segurança alimentar do DF e parte de Goiás, a partir de investimentos em infraestrutura verde e manejo adequado do solo na área da bacia do Alto Descoberto, incentivando a produção agrícola e atividades de turismo em bases sustentáveis. Os custos seriam de R$ 539 milhões para um período mínimo de dez anos.

 

AÇÕES

 

O programa inclui ações voltadas para a agricultura (rentabilização sustentável e; regularização hídrica, fundiária e ambiental); meio ambiente (proteção e recuperação; segurança; estudos para avaliar a disponibilidade hídrica da Bacia e; plano de controle do uso irregular do solo contra expansão urbana); infraestrutura, saúde e segurança; comunicação e; turismo.

 

“A salvação do DF é manter essa bacia voltada à agricultura”, disse Rosany Carvalho, produtora de flores tropicais no Rancho Paraná. Ela enfatizou que os agricultores precisam ser motivados a permanecer no local e citou como exemplo, o Programa Produtor de Água, recém-instalado na Bacia do Descoberto.

 

Para o secretário Sarney Filho, a proposta está bem estruturada e apresenta um ótimo custo-benefício. Ele concorda que ações urgentes devam ser feitas no Descoberto para que a água deixe de ser um elemento de disputa na região e contribua com o seu desenvolvimento sustentável. “Vamos trabalhar com esse projeto de forma política, apresentando seu teor ao governador e aos deputados distritais para, depois de termos alinhado a sua importância, partir para a busca de recursos para a sua implantação”, disse.