Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/09/20 às 14h34 - Atualizado em 30/09/20 às 14h34

Sema participa de Seminário Brasil Carbono Neutro

COMPARTILHAR

O secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho, defendeu a importância da atuação dos entes subnacionais, como os estados, no combate aos efeitos das mudanças do clima no Brasil. “Cabe aos governos estaduais assumir a responsabilidade de suplementar a manutenção da política de desenvolvimento sustentável”, afirmou.

 

Ele participou, na tarde desta terça-feira, de uma live sobre o tema Inovações pelo Clima: estratégias estaduais para a construção do Brasil Carbono Neutro, organizada pelo Centro Brasil no Clima (CBC) e transmitido na página da instituição, no YouTube. A secretária executiva da Sema, Marília Marreco, também estava presente.

 

O objetivo do evento foi apresentar e discutir algumas das principais políticas de mitigação de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) implementadas nos estados parceiros do CBC. De acordo com os organizadores, a discussão buscou entender o que está sendo feito para a construção do Brasil Carbono Neutro 2060, a partir dos setores definidos pela Proposta Inicial para a Implementação da NDC brasileira no Acordo de Paris.

 

O Governo do Distrito Federal tem como meta neutralizar as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) até o final de 2022. Para tanto, a Sema está fazendo um levantamento de espaços com potencial para serem utilizados como sumidouros de carbono, que podem ser definidos como um processo ou área que retira os gases de efeito estufa da atmosfera e os armazena por um período, lançando oxigênio na atmosfera.

 

A expectativa é de que a iniciativa aumente o aproveitamento do potencial que a natureza tem de fixar o carbono que circula livre na atmosfera, elevado, assim, a presença de áreas de vegetação no território.

 

De acordo com o Inventário de Gases que Provocam o Efeito Estufa no DF, as emissões locais de carbono são geradas principalmente pela queima de combustíveis fósseis nos transportes terrestre e aéreo; pelos resíduos sólidos ainda não devidamente gerenciados; pelas emissões industriais, com destaque para as geradas pelas grandes empresas cimenteiras e; pelas emissões causadas pela retirada da vegetação.

 

Assessoria de Comunicação
Secretaria do Meio Ambiente