Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/10/19 às 10h06 - Atualizado em 6/11/19 às 17h50

Técnicos do DF e produtores rurais serão capacitados em agrofloresta

COMPARTILHAR

Capacitação reuniu 31 agricultores familiares, metade formada por mulheres | Foto: Breno Esaki / Secretaria de Meio Ambiente

 

A segunda etapa do projeto-piloto Sistemas Agroflorestais (SAF) mecanizados nas Bacias do Paranoá e do Descoberto, coordenado pela Secretaria do Meio Ambiente (Sema), já foi iniciada. O programa, implantado desde o começo do ano, tem como meta contribuir para a segurança hídrica do Distrito Federal. Ao todo, 20 hectares de SAF deverão estar consolidados até fevereiro de 2020.

 

“A nossa expectativa é contribuir para que cidades e estados possam também adotar este caminho, que representa um importante instrumento de desenvolvimento sustentável”, afirmou o secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho.

 

Ele lembrou que o Distrito Federal, em 2017, passou por grave crise hídrica. E que, diante das mudanças do clima, é fundamental que o governo se empenhe na adoção de programas que possam aliar o cultivo adequado da terra à proteção de nascentes e de mananciais que chegam aos reservatórios.

 

Dando início a essa etapa do trabalho, a Sema realizou, nos dias 22 e 23 de outubro, o terceiro módulo de cursos para produtores rurais, além de técnicos da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri) e Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater).

 

Foto: Breno Esaki / Secretaria de Meio Ambiente

 

A capacitação foi realizada no sítio Semente, no Lago Oeste, onde os 31 agricultores familiares, sendo 50% mulheres, tiveram atividades práticas com preparação de canteiro e plantio de diferentes mudas e sementes. O grupo também recebeu aulas teóricas sobre implantação de agrofloresta.

 

Mecanização

 

Em média, cada produtor receberá meio hectare de SAF. “O incremento da mecanização será um grande estímulo para o produtor fazer a migração dos sistemas tradicionais de cultivo, que vem comprometendo gravemente a produção de água nessas regiões, para os Sistemas Agroflorestais” afirmou a  coordenadora do projeto pela Sema, Nazaré Soares.

 

O projeto está disponibilizando para as SAF implementos adaptados para apoiar a implantação de agroflorestas. Um deles é a enxada rotativa com subsolador, que prepara rapidamente grandes extensões de canteiros a uma profundidade de até 80 centímetros, dispensando o uso de perfuratriz para abertura de covas para plantio de árvores. Uma ceifadeira-enleiradeira permite cortar o capim nas entrelinhas entre os plantios e já o deposita na linha de plantio, servindo de matéria orgânica e cobertura do solo.

 

O projeto disponibiliza podador de altura que, puxado por trator, eleva o trabalhador com motosserra na altura da poda de árvores maiores, dispensando o uso de escadas. Do contrário, elas precisariam ser retiradas e recolocadas em cada árvore podada.

 

O projeto é uma iniciativa da Sema/DF em parceria com Ministério da Ciência, Tecnologia, Comunicação e Inovação, além do Projeto CITinova e a ONU Ambiente.

 

* Com informações da Secretaria de Meio Ambiente