Governo do Distrito Federal
6/10/22 às 15h58 - Atualizado em 6/10/22 às 17h41

Semana do Cerrado tem ação de educação ambiental em escolas do DF

Agência Brasília* | Edição: Rosualdo Rodrigues

 

A ação de mobilização envolve estudantes moradores de áreas prioritárias para a conservação ambiental | Fotos: Divulgação Sema-DF

 


Brasília, 17 de setembro de 2022 – Alunos do primeiro ano do Centro de Ensino Médio 2 de Brazlândia tiveram uma aula de meio ambiente, biomas, ciclo da água e energia fotovoltaica na Semana do Cerrado, que começou no dia 11 de setembro, auge da estação seca em Brasília. Para conscientizar os estudantes sobre a emergência climática, o risco do fogo e as características próprias da savana brasileira, dois engenheiros florestais do Projeto CITinova/Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e um professor da Secretaria de Educação conversaram com os estudantes.

 

A visita faz parte de uma ação maior de mobilização social para o meio ambiente que inclui dez escolas do Distrito Federal. Duas já foram atendidas (Guará e Taguatinga) e mais sete estão no cronograma que começou ontem. A ação segue até o fim do mês de outubro, com visitas ao Recanto das Emas (22/9), Samambaia (27/9), Paranoá (29/9), Núcleo Bandeirante (6/10), Taguatinga (4/10), Riacho Fundo (18/10) e Ceilândia (20/10).

 

Todas as escolas estão inseridas no território das bacias hidrográficas do Paranoá e do Descoberto, fontes de água para os habitantes do DF. Essas bacias são alvo do Projeto CITinova, com ações de recuperação ambiental em nascentes, áreas de recarga hídrica e áreas de preservação permanente (APPs), além da implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs) mecanizados.

 

A ação de mobilização ambiental envolve os estudantes, que são moradores dessas áreas prioritárias para a conservação ambiental, em palestras e dinâmicas propostas pela engenheira florestal e assessora da coordenação de Recursos Hídricos da Sema, Thaiane Meira, pelo engenheiro florestal e técnico do CITinova, Homel Marques, e pelo professor José Ricardo Silva, representante da gerência de Educação Ambiental, Patrimonial, Língua Estrangeira e Arte da Secretaria de Educação.

 

Em uma atividade dinâmica, o professor usa o regador para demonstrar a alunos do CEM 2 Brazlandia como funciona uma bacia hidrográfica

 

Pacto pela sustentabilidade

 

No CEM de Brazlândia, 66 alunos e alunas do primeiro ano foram convidados a assinar o Pacto pela Sustentabilidade do DF, um compromisso voluntário com atitudes como economia de água e luz, plantio de árvores e cuidados em geral com o meio ambiente.

 

“Se eu não mudar os meus hábitos, não consigo mudar o que me cerca”, disse a engenheira florestal Thaiane, convidando os alunos à reflexão. Com fotos das cachoeiras e paisagens de Brazlândia, os palestrantes lembraram aos jovens das belezas do ambiente natural tão próximo a eles. “Uma cabeceira de rio recuperada e protegida garante uma água mais limpa na cachoeira”, exemplificou Thaiane.

 

Em uma atividade dinâmica proposta pelo engenheiro florestal Homel Marques, os estudantes visualizaram o comportamento da água da chuva ao cair sobre o solo do Planalto Central: com um regador cheio, despejaram a água sobre uma bacia de plástico, que escorria após encher. Assim, os jovens puderam visualizar o funcionamento de uma bacia hidrográfica ao acumular e distribuir a água.

 

O cerrado é considerado o “berço das águas do Brasil” por ser o local de origem de oito bacias hidrográficas, como a do Paraná e a do Tocantins. Recentemente, foi classificado como uma “floresta invertida” com raízes, maiores do que as copas das árvores, que guardam e distribuem a água no subsolo. Ocupa 23% do território nacional e contém a maior biodiversidade de uma savana no mundo.

 

Todas os dados de meio ambiente e mapas do DF podem ser encontrados no portal do Sistema Distrital de Informações Ambientais, o Sisdia.

 

 

*Com informações da Secretaria de Meio Ambiente do DF