Governo do Distrito Federal
10/09/21 às 14h24 - Atualizado em 6/04/22 às 11h12

Semana do Cerrado traz mudanças do clima para o centro do debate

Celebrar o Cerrado e, ao mesmo temo, alertar que o bioma, berço das águas brasileiras, corre riscos. É assim que a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) vai realizar a Semana do Cerrado, entre os dias 11 (Dia Nacional do Cerrado) e 19 de setembro. Com o tema Cuidar do clima, cuidar da vida, o evento tem como objetivo atrair a atenção da população para os impactos das mudanças do clima e soluções para seu enfrentamento, além de mobilizar e conscientizar a sociedade para a importância de ações de conservação e preservação ambiental.

 

A abertura ocorre com atividades em diferentes regiões administrativas do Distrito Federal. O secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho, e equipe técnica, visitarão a propriedade de um produtor rural contemplada com o Projeto de Recomposição de Vegetação Nativa do bioma Cerrado, no Riacho Fundo I. No mesmo dia, tem início a programação da Sema e do Caminhos do Planalto Central (CPC) com o projeto Trilhas nas Unidades de Conservação. No encerramento do evento, o Eixão Norte recebe a Exposição Caminhos do Planalto Central.

 

Sarney Filho, diz que a realização da Semana do Cerrado chama a atenção sobre o bioma que é o segundo maior do Brasil e já tem quase 50% de sua cobertura vegetal devastada. “É importante também porque o cerrado é produtor de água, é a savana mais biodiversa do mundo, além de ser uma área que hoje é grande produtora de grãos. Compatibilizar essas questões e manter os serviços ambientais do cerrado são fundamentais e, para isso, é preciso que que haja conscientização das pessoas, papel que esse evento vem cumprir muito bem”, afirma.

 

A Semana do Cerrado conta com o apoio do Projeto CITinova, Planejamento Integrado e Tecnologias para Cidades Sustentáveis, realizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e executado pela SEMA, em parceria com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), com recursos do Global Environment Facility (GEF).

 

Também são parceiros do evento órgãos vinculados à Sema como o Brasília Ambiental, Jardim Botânico de Brasília, Jardim Zoológico de Brasília. E ainda a Agência Reguladora de águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa), a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), o Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o  Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Além da Área de Preservação Ambiental (APA) do Planalto Central, do Caminhos do Planalto Central (CPC).

 

Programação – A Semana do Cerrado vai proporcionar que as pessoas possam se sentir parte do meio ambiente. Que tal experimentar virar um animal comum no bioma ou usar um penteado de ipês? É por meio do lúdico que a Sema pensou em fazer educação ambiental nas Redes Sociais. Os usuários vão poder brincar com dois filtros especialmente preparados para homenagear o cerrado. Um deles, transforma os cabelos em galhos de ipê e flores brancas, rosas ou amarelas. Outra opção é transformar o rosto do humano em um lobo guará, uma seriema ou uma capivara.

 

Além das brincadeiras nas Redes, os eventos programados ao longo da semana também oferecem opções virtuais e presenciais, abordando políticas públicas executadas pela secretaria por meio de suas subsecretarias em áreas como a gestão de resíduos e de recursos hídricos, ambiental, territorial e de assuntos estratégicos e ainda o combate a incêndios florestais, todos voltados à relação com o enfrentamento e mitigação dos efeitos das mudanças do clima no DF.

 

Confira:

 

Dia 11

Abertura da Semana do Cerrado, às 11h, com visita a uma propriedade de rural, localizada no Riacho Fundo I, onde foi implantado o projeto de recomposição da vegetação nativa do Cerrado, em afluente de córrego contribuinte do Riacho Fundo. A iniciativa faz parte do Projeto de Recomposição da Vegetação nativa em 80 hectares de Áreas de Preservação Permanente (APPs) de nascentes, áreas de recarga hídrica e demais APPs degradadas ou alteradas nas Bacias do Rio Descoberto e Rio Paranoá. O programa utiliza diferentes técnicas de recomposição de vegetação como os Sistemas Agroflorestais (SAFs) que conciliam práticas florestais e agrícolas. O principal objetivo da ação é realizar a manutenção e recuperação dos aquíferos que abastecem as bacias Rio Descoberto e Rio Paranoá, em parceria com o Projeto CITinova.

 

No mesmo dia, com horários diferentes, têm início as atividades do Projeto Trilhas nas Unidades de Conservação. Para ver a programação e se inscrever, clique aqui.

 

De 11 a 18

O Parque de Águas Claras e o Centro de Práticas Sustentáveis do Brasília Ambiental, no Jardim Botânico, vão exibir simultaneamente a Exposição Itinerante Nosso DF Através de Mapas. São cinco mapas com temáticas ambientais de interesse da população, com informações encontradas no Sistema Distrital de Informações Ambientais (SISDIA). O objetivo é despertar o interesse das pessoas para conhecer o portal eletrônico do SISDIA, mostrando que democratizar esse tipo de conhecimento é fundamental para a busca de dados oficiais e validados sobre o DF.

 

No mesmo período, Restaurantes Comunitários do DF vão receber a Exposição Mural Temático de Educação Alimentar e Nutricional sobre os Alimentos do Cerrado. A atividade foi desenvolvida em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) para que para que os frequentadores conheçam mais sobre os frutos do cerrado. Quem fizer as refeições nas unidades vai ter também a oportunidade de assistir a um vídeo curto mostrando as propriedades de frutas como murici, cajuí, guabiroba e ainda vai receber dicas de receitas com frutos do cerrado, como baru, araticum e mangaba. A atividade estará disponível em 14 restaurantes, localizados em Brazlândia, Ceilândia, Estrutural, Gama, Itapoã, Paranoá, Planaltina, Recanto das Emas, Riacho Fundo II, Santa Maria, Samambaia, Sobradinho II e Sol Nascente.

 

DE 11 a 19

Para adeptos de esportes ao ar livre, de 11 a 19, atividades com o objetivo envolver a sociedade com a natureza e promover a valorização do Cerrado. A iniciativa é da Sema  da Área de Preservação Ambiental (APA) do Planalto Central, do Caminhos do Planalto Central (CPC) e seus parceiros. Serão 30 caminhadas, 7 opções de pedal e 7 de corrida. E ainda há alternativas para quem prefere a canoagem no Lago Paranoá, a sinalização botânica na Trilha União, o canicross na Pedra dos Amigos, para quem quer levar seu pet para as trilhas ou degustar queijos e cavalgar no Lago Oeste e Rota do Cavalo.

 

As atividades terão dez participantes, em respeito às regras sanitárias, exceto as de bicicleta e cavalgada com, no máximo, 15 pessoas cada. Os inscritos vão receber máscara, álcool em gel e garrafa de água.

Vão receber a programação parques e UCs localizadas em Taguatinga, Gama, Planaltina, Lago Oeste, Sobradinho, Jardim Botânico, Santa Maria, Lago Sul, Lago Norte, Águas Claras, Recanto das Emas, Samambaia, região central de Brasília, Brazlândia e Riacho Fundo.

 

Dia 14

O Webinário Clima vai discutir ações e propor reflexões entre a Sema e órgãos vinculados à secretária. Serão três debates: Painel 1 – Uso do Sistema Distrital de Informações Ambientais (SISDIA); Painel 2 – Roda de conversa “Emissões de gases do efeito estufa no DF” e Painel  3 – Palestra “Recomposição de Vegetação e Sistemas Agroflorestais Mecanizados”.   O evento é gratuito e ocorre pela plataforma Zoom, de 9h às 12h30, com vagas para cem participantes.

 

As inscrições podem ser feitas aqui

 

https://bit.ly/3BVAemW

 

Dia 15

 

Cerca de 80 pessoas, entre estudantes e professores do ensino fundamental da rede pública do GDF são o público-alvo do Plantio Demonstrativo de 120 mudas de espécies nativas do cerrado, na Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) do Bosque (QL 10 do Lago Sul).  A atividade inclui explicações sobre o projeto Recuperação de Danos na Orla do Lago Paranoá e sobre os impactos da criação de ambientes de florestas urbanas no resfriamento da temperatura. Em seguida, os participantes realizam o plantio, em berços ou covas previamente abertos e irrigados com hidrogel. Devido à Pandemia por Covid-19, serão quatro turmas com 15 alunos cada, duas de manhã, de 9h à 11h e duas à tarde, entre 14h e 16h.

 

A iniciativa tem como objetivo mobilizar os participantes e sensibilizá-los quanto à importância da recuperação da orla do Lago, o que leva à manutenção dos mananciais e à mitigação dos impactos das mudanças do clima.

 

O Lago Paranoá é o segundo maior manancial do Distrito Federal e representa 20% do reservatório de água do DF. A Sema realiza dois projetos de preservação das Áreas de Preservação Permanente (APPs) da Orla do Lago, que já resultam em 63 hectares plantados ao longo da Orla Sul e braço do Riacho Fundo, com mais de 33 mil mudas de espécies do cerrado. Na Orla Sul e braço do Riacho Fundo, a iniciativa é financiada com recursos do Fundo Único do Meio Ambiente em parceria com o Instituto Rede Terra e Brasília Ambiental. Na Orla Norte, o projeto está no âmbito do Acordo de Cooperação Recupera Cerrado, parceria entre Sema, Brasília Ambiental, Serviço Florestal Brasileiro e Fundação Banco do Brasil, que financia as ações.  O Instituto Espinhaço é responsável pela execução das ações, que devem ter início no período de chuvas.

 

Dia 16

O Webinário Cerrado será composto por quatro painéis. São rodas de conversa sobre:

 

Recuperação da orla do Lago Paranoá – resultados e vivências; Coleta Seletiva em Condomínios, como fazer?; Mulheres do Fogo e ; Pesquisa sobre Capivaras na Orla do Lago. O evento é gratuito e será realizado pela plataforma Zoom, de 9h às 12h30, com vagas para cem participantes.

 

Faça sua inscrição aqui

 

https://bit.ly/3A1VSFo

 

Dia 19

A realização de Trilhas em parques e unidades de conservação e a Exposição dos Caminhos do Planalto Central, no Eixão Norte encerram a programação. (o que compõe a exposição, horário, altura do eixão)

 

Amor – Também está em curso o concurso fotográfico Eu amo Cerrado, voltado a estudantes do Projeto Parque Educador e comunidade em geral. O objetivo do concurso é valorizar o Cerrado, realçando o amor e as belezas do bioma. E ainda promover educação ambiental por meio da fotografia de natureza para despertar o olhar para as riquezas do Cerrado, especialmente nas Unidades de Conservação do DF. O resultado será divulgado no dia 22

 

Para participar, os interessados devem postar as fotografias no Instagram, marcando os perfis do Brasília Ambiental (@brasilia_ambiental) e Sema (@semagovdf), com a hashtag #concursoeuamocerrado2021, para os participantes da categoria comunidade em geral, e #concursoeuamocerrado2021 e #parqueeducador, para os estudantes do Projeto Parque Educador. Na descrição da foto deve ser informado o local que a imagem foi tirada, que pode ser em uma das seis unidades de conservação onde ocorre o projeto: Parque Ecológico Sucupira (Planaltina); Parque Ecológico Águas Claras; Parque Ecológico Três Meninas (Samambaia); Parque Ecológico Saburo Onoyama (Taguatinga); Parque Ecológico do Riacho Fundo e Monumento Natural Dom Bosco (Lago Sul).

 

Acesse aqui o edital